sexta-feira, 4 de outubro de 2019

4 em cada 10 famílias baianas gastam mais do que ganham por mês, diz IBGE

NotíciasEm dez anos, parcela do orçamento usado para despesas caiu
Quatro em cada dez famílias baianas gastam mais do que ganham por mês, segundo dados de 2018 divulgados nesta sexta-feira (4) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As famílias mais atingidas são justamente as que têm menor rendimento, aponta o IBGE. 
O cenário teve uma melhora em relação a 2008. Naquele ano, em média, as famílias baianas gastavam 102,5% a mais do que ganhavam, no segundo pior cenário do Brasil. Hoje, as famílias da Bahia comprometem 90% do orçamento com as despesas. As 4,9 milhões que moram na Bahia têm rendimento total de R$ 3.803,08, em média, e os gastos chegam a R$ .3,423,63, mostra a pesquisa.
Segundo os dados de 2018, as cerca de 1,9 milhão de famílias na menor faixa de renda total (até R$ 1.908 ou 2 salários mínimos) têm média salarial de R$ 1.201,34 por mês e gastavam, ao todo, R$ 1.358,20, o equivalente a 113,1% do seu rendimento. Essas são as famílias mais representativas do estado - 38,1% do total.Com esses números, a Bahia é o quinto estado com famílias com maior comprometimento orçamentários no país, abaixo de  Rio Grande do Norte (96,2%), Amapá (95,2%), Maranhão (94,5%) e Pará (92,1%). No outro extremo, em média, as famílias do Espírito Santo (79,3%), Distrito Federal (79,3%) e Roraima (70,0%) tinham os orçamentos menos comprometidos do país. 
O nível de comprometimento do orçamento com as despesas mensais cai no grupo de famílias com rendimento entre R$ 1.908 e R$ 2.862 (91,8%) e volta a subir na faixa seguinte (95,8% entre as famílias com rendimento de R$ 2.862 a R$ 5.724). A partir daí, o peso das despesas vai diminuindo conforme aumenta o rendimento médio. O menor comprometimento é de 68,7%, para as 1,3% de famílias baianas que têm mais de R$ 23.850 de renda mensal.Moradia, comida e transporte 
Os três grupos de despesas com peso maior para o orçamento familiar, em 2018, foram habitação, alimentação e transporte. Juntos, correspondiam a R$ 6 de cada R$ 10 gastos pelas famílias da Bahia, representando 59% da despesa total. Esses grupos lideram o ranking de despesas na Bahia desde 2003.
Para famílias com menor rendimento (até R$ 1.908), esse trio de despesas básicas tem peso maior, chegando a quase 70% dos gastos totais. Esse peso vai diminuindo e ocupa menos da metade da despesa total das famílias no outro extremo, da maior faixa de renda (48,1% do total).
(Foto: Divulgação)
Gastos com habitação aparecem na ponta, representando 27,2% dos gastos das famílias baianas. Alimentação aparece em seguindo, com 18,3%. Transporte aparece em terceiro, representando 13,5% dos gastos totais. Em quarto lugar aparece despesa com assistência à saúde, com 7,4% do total.
As despesas com educação, em dez anos, mais que triplicaram entre as famílias baianas. Saíram de uma média mensal de R$ 42,06, em 2008, para R$ 138,92 em 2018, aumento de 230,3%. Esse foi o grupo de despesas de consumo que mais cresceu no estado durante o período.
Para comparação, em 2008 os gastos das famílias baianas com educação correspondiam a 2,1% da despesa total média, ocupando a oitava colocação no ranking. Dez anos depois, já represnetam 4,1% do gasto total da família média do estado, chegando ao sexto lugar no ranking das despesas.Fonte/Correio24horas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário