quarta-feira, 27 de abril de 2016

Alagoinhas foi a segunda cidade baiana em geração de empregos no mês de março

elatório do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (GAGED) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) revela que Alagoinhas foi a segunda cidade baiana que mais gerou postos de trabalho em março.
Dias D´Ávila teve saldo positivo de 392 ingressos no mercado formal. A cidade da região metropolitana de Salvador registrou 1.117 contratações e 725 demissões. 
FOTO-ALAGOINHAS-AH-1-702x465A economia de Alagoinhas, apesar da crise nacional, demonstrou força em março: 776 novas vagas ocupadas, contra 486 desligamentos, gerando, assim, superávit de 290  postos de trabalho. 
A pesquisa do MTE é realizada em municípios com mais de 30 mil habitantes nas áreas de extrativismo mineral, indústria de transformação, serviços industriais de utilidade pública, construção civil, comércio, serviços, administração pública e agropecuária. 
No mês de março, o setor mais ativo da economia de Alagoinhas foi o de serviços, com 203 admissões. Neste segmento, 156 trabalhadores perderam seus postos de trabalho. Saldo positivo de 47 empregos. 
Entre janeiro e março, de acordo com o CAGED, os segmentos pesquisados em Alagoinhas geraram 2.045 empregos. No mesmo período, 1.579 pessoas foram demitidas. O superávit totalizou 466 empregos. 
Ranking das cidades: 3º, Luís Eduardo Magalhães (274); 4º, Barreiras (237); 5º, Juazeiro (230); 6º, Jequié (229); 7º, Casa Nova (193); 8º, Itamaraju (73); 9º, Cruz das Almas (63); 10º, São Sebastião do Passé (51). 
Avaliação
PC ENTREVISTAEm conversa com o editor do Alagoinhas Hoje, na manhã de ontem, em seu gabinete, o prefeito Paulo Cezar afirmou que a avaliação sobre os números do GAGED é positiva, embora quisesse mais para a economia do município. Ele acredita que Alagoinhas é capaz de enfrentar a crise econômica nacional com mais força, ao contrário de muitas cidades baianas, em função do trabalho de atração de empresas realizado em seus dois governos. 
O prefeito citou os empreendimentos hoteleiros em construção, a unidade do SESC, o IF Baiano e as negociações para instalação do Carrefour e do Atakarejo. Paulo Cezar citou ainda a edificação de um shopping center em Alagoinhas como uma das alternativas para o fortalecimento do comércio local.
“O shopping terá 140 lojas e os moradores de Alagoinhas e região não precisarão comprar mais em Feira de Santana e Salvador, o que fortalecerá nossa economia”, salientou, acrescentando que ” existe a expectativa da geração 1.000 empregos diretos”.Fonte/Alagoinhashoje.

Nenhum comentário:

Postar um comentário