sábado, 8 de agosto de 2015

Em visita a municípios, secretário fala sobre regularização dos Consórcios de Saúde

Ampliar e descentralizar os serviços de saúde no interior são metas da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab).
 Para tanto, profissionalizar a gestão de hospitais municipais e de Santa Casas, bem como fortalecer iniciativas itinerantes, como o rastreamento de câncer de mama, são prioridades na agenda do secretário estadual da Saúde, Fábio Vilas-Boas.
Na visita desta quinta-feira (6) aos municípios de Pojuca, Inhambupe e Esplanada, o secretário, acompanhado do assessor de relações institucionais da Sesab, Mateus Simões, conheceu a realidade local e identificou o potencial de melhoria da rede.
 "Em Pojuca e Esplanada temos hospitais que poderão funcionar em plena capacidade, atuando como filtros de casos menos complexos", explicou Fábio Vilas-Boas.
Já em Inhambupe, ele visitou a unidade do programa de Rastreamento do Câncer de Mama, onde foram realizados mais de 100 exames, sem que houvesse a necessidade de deslocamento para outro município. "É o Estado levando os serviços de saúde cada vez mais perto do cidadão", pontuou o secretário.
Além de conhecer as necessidades de cada município, Vilas-Boas aproveitou a oportunidade para conversar com prefeitos e secretários de saúde sobre os consórcios públicos. Em Esplanada, além dos representantes locais, estiveram presentes os gestores de Acajutiba, Jandaira, Conde e Entre Rios.
O secretário explicou que o Projeto para regularização e formalização dos Consórcios Municipais de Saúde será enviado ainda este mês para votação na Assembleia Legislativa. Os
prefeitos receberão, por sua vez, proposta de lei municipal a ser votada nas respectivas câmaras de cada município. A meta do Governo do Estado é de iniciar a construção de 11 Policlínicas este ano e outras 17 até 2018, totalizando 28 unidades.
Os Consórcios têm como objetivo descentralizar e ampliar a assistência à saúde no interior do estado. A rede de atenção dos Consórcios será composta por Unidades de Pronto Atendimento (UPA), Policlínicas, Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), serviços de média complexidade e Laboratórios de Saúde Pública (Lacen). As Policlínicas vão oferecer serviços de especialidade como cardiologia e neurologia e exames como tomografia e ressonância magnética.
O governo do estado será um co-financiador, incentivando a formação dos Consórcios para a expansão dos serviços de saúde, principalmente no interior baiano. O estado financiará 40% dos custos mensais e os municípios pactuados ficarão responsáveis pelos 60% restantes. Além disso, o gasto com a construção das policlínicas também será arcado pelo governo estadual, que investirá cerca de R$12 milhões na construção de cada unidade. O valor da manutenção mensal é de R$700 mil.
Ascom/Sesab

Nenhum comentário:

Postar um comentário